quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Catálogo da exposição virtual

 
 
Hoje compartilho e divulgo o registro impresso referente a exposição virtual "Produções na Infância" que foi postada neste blog.
 
No processo de criação e organização busquei a ampliação de repertório pessoal para construí-lo e fiz algumas reflexões sobre o que de fato era importante compartilhar neste catálogo.

sábado, 31 de outubro de 2015

Projeto Verde que te quero Ver

Compartilho a publicação na revista Nova Escola sobre o Projeto Verde que te quero ver premiado pela Fundação Victor Civita no ano de 2004
 
 
 



quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Publicação Revista Avisa lá

Hoje compartilho o artigo que escrevi na revista Avisa lá sobre um projeto desenvolvido com crianças de 6 anos no ano de 2002.
 
 
Publicação Revista Avisa lá
nº 16-outubro 2003
páginas 26,27,28,29
 
 


 
 
 
 
 
 


terça-feira, 1 de setembro de 2015

Apreciando de perto a abordagem pedagógica de Reggio Emília...

Conheci a abordagem pedagógica que acontece na cidade de Reggio Emília (Itália) no ano de 2002 ao apreciar a exposição "As Cem Linguagens das Crianças" na escola Eugenio Montale, localizada na cidade de São Paulo.
A exposição despertou um sentimento de querer conhecer mais sobre as abordagens pedagógicas das escolas de educação infantil de "Reggio".
Participei do grupo de estudos sobre a abordagem que aconteceu na escola Eugenio Montale, palestras, seminários, leituras e da semana de estudos no Centro Loris Malaguzzi em Reggio Emília.
Todas as participações foram importantes para ampliar meu conhecimento, mas ir até Reggio Emília  conhecer, pensar sobre a abordagem e seu contexto de perto despertou um maior encantamento e desejo de voltar lá em outras oportunidades.
Compartilho algumas imagens que pelo meu olhar retratam a cidade, seus sabores, cores, vegetação, arquitetura e a abordagem pedagógica das escolas da infância de Reggio Emília.
 
 


 
 

 
 

 
 

 

 
 


 

 
 
 
  

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

FORMAÇÃO CONTINUADA...







Nesta postagem compartilho algumas formas que venho utilizando em minha formação continuada.
Sempre fui interessada em aprender e conhecer as teorias e práticas que envolvem a educação, em especial, a educação infantil e as artes visuais na infância.
Em minha jornada de trabalho, tenho horário diariamente disponível para planejamento, reflexões, leituras, registros, pesquisas, troca de experiência/relatos das práticas. Acredito que é um tempo muito precioso que temos em nossa jornada de trabalho.
Sou curiosa, interessada e tenho grande vontade de estar sempre atualizada e buscar novos conhecimentos.
Procuro investir participando de congressos, seminários, palestras, cursos que auxiliem na ampliação de meu repertório.
Há muitos anos atrás participei de uma formação no Museu de Arte Moderna chamada "Professor Pesquisador de Arte". Foi uma tarde agradável, onde a palestrante abordou a necessidade do professor em buscar conhecimentos por iniciativa própria e com autonomia. É desta maneira que venho utilizando em meu percurso como professora de Educação Infantil.
Vou em busca de novas publicações, artigos, catálogos, filmes, em bibliotecas, livrarias, ouvinte em disciplinas da universidade, editoras e até atravessei o oceano para adquirir as publicações da abordagem pedagógica das escolas de Reggio Emília.
Meu objetivo não é conquistar títulos, diplomas, certificados, mas sim adquirir e repensar conhecimentos.
No ano de 2012 o projeto com as crianças de minha turma era sobre jardim, então para ampliar meu repertório fui em busca de um curso aos sábados sobre jardinagem no Jardim Botânico.
Tudo isso é muito gratificante e compensador, refletindo em minha abordagem pedagógica com as crianças.
E você como faz sua formação continuada?


domingo, 14 de junho de 2015

Espaços expositivos...



Os momentos de apreciação são  fundamentais para todos os envolvidos com as aprendizagens das crianças, ou seja, das próprias crianças produtoras, as crianças de outras turmas da escola, as famílias/cuidadores, funcionários, os professores, os gestores da escola...

Em minhas turmas, as apreciações das produções fazem parte do cotidiano, pois quando a criança tem a oportunidade de observar a sua produção e a dos amigos amplia repertório e conhecimento.

Outro fator que ressalto é propor uma conversa sobre o que as crianças estão apreciando, o que permite pensar sobre o que foi produzido ou construído. Estas reflexões possibilitam avanços e muitas vezes levantam questionamentos e até outras produções. Acredito que ocorra um desperdício de ideias, pensamentos, imaginações, criações quando guardamos as produções logo após o seu término e não retomamos mais com as crianças.

Muitas são as formas de organizar os espaços das exposições, tanto dentro da sala de aula, como nos demais espaços da escola e a escolha se faz a partir das necessidades de cada momento e turma de crianças. Procuro organizar a exposição com suportes que não interfiram e nem destaquem mais do que as produções.

Sempre organizo o planejamento prevendo alguns momentos expositivos e já inicio logo na adaptação das crianças. Noto que nem sempre a criança tem referência do que é expor sua produção e é a partir daí que introduzo algumas formas e possibilidades de exposição junto das crianças. Assim, no decorrer do ano, começam a propor, escolher e organizar exposições de suas produções.
https://lh4.googleusercontent.com/-vkccGL8YHXs/TYKH-TSs7EI/AAAAAAAAABs/htR0Sd3P5K4/s320/P5260014.JPG

https://lh5.googleusercontent.com/-cl1MtGuBQ6k/TYKJeXbF6xI/AAAAAAAAAB4/DdF_8N95qxM/s320/P5190013.JPG


https://lh4.googleusercontent.com/-PcKktd2VcZk/TYKHpkAPtLI/AAAAAAAAABo/nu0B7JSgkK8/s320/castelos.JPG

https://lh3.googleusercontent.com/-Pk7rS3D4HMo/TYKIgVULnsI/AAAAAAAAAB0/3iQseor7LCo/s320/PB230097.JPG


https://lh6.googleusercontent.com/-wOb8Zz_OI6k/TYKJ1GrXnpI/AAAAAAAAAB8/poz-Vlw8Rmc/s320/P5220036.JPG

domingo, 26 de abril de 2015

Bolos de aniversários...


Tenho observado o quanto as crianças constroem "bolos de aniversário" em suas modelagens com terra, massas plásticas, argilas... Esta observação me fez pensar que estas brincadeiras são trazidas pelas crianças resgatando uma questão cultural, de identidade, de relacionar-se com o outro, entre outras.
Destaco a diversidade de formas, objetos e materiais que as crianças buscam para enfeitar e construir os bolos. Criam, constroem e produzem com tamanha sensibilidade, de acordo com as escolhas e composições por elas organizadas. Outra questão a ser apontada é a organização para reunir os amigos para festejar em torno do "bolo de aniversário", sempre regada a canções e saudações ao escolhido da vez.
Quero compartilhar algumas construções estéticas com imagens de diversos "bolos de aniversários" criadas por crianças de 5, 6 e 7 anos